Tamanho da letra A + A -

O Que Fazemos

"A pessoa com deficiência tem direito à moradia digna, no seio da família natural ou substituta, com seu cônjuge ou companheiro ou desacompanhada, ou em moradia para a vida independente da pessoa com deficiência, ou, ainda, em residência inclusiva."

Lei 13.146/15

 

Nossa causa é a moradia independente com apoio individualizado para pessoas com deficiência, inspirada no modelo da Ability Housing e alinhada aos conceitos da Lei Brasileira de Inclusão.

 

Atualmente estamos formando grupos-pilotos para viabilizar a primeira moradia independente do Brasil. Em São Paulo, no Rio de Janeiro e Porto Alegre já há famílias mobilizadas, mas o projeto pode ser implementado em qualquer cidade do país.

 

A transição para a vida adulta de pessoas com deficiência cognitiva precisa ser debatida! Desde nossa fundação, em 2013, atuamos na sensibilização da sociedade, do poder público, do mercado, dos jovens com deficiência e seus familiares. A lei brasileira é uma das mais modernas e avançadas do mundo – e o JNG trabalha para colocar em prática a alternativa de moradia  para a vida independente, que permita que adultos com qualquer tipo de deficiência possam viver com dignidade, privacidade e autonomia.

 

O projeto-piloto de moradia independente do JNG terá três fases:

  • Fase 1 – Preparatória
  • Fase 2 - Decisão e Formalização
  • Fase 3 - Governança e Avaliação 

A Fase 1- Preparatória dura 6 meses e é desenvolvida enquanto os filhos moram com os familiares. Ao final dessa etapa, a família decide se continua no grupo-piloto para seguir para a fase de mudança de casa. Elas receberão um relatório técnico, elaborado por nossas especialistas, sobre o nível de autonomia atual da pessoa com deficiência e quais funcionalidades e habilidades devem ser desenvolvidas. Para saber mais clique aqui

 

Uma das atividades da Fase Preparatória é a prospecção de imóveis. A moradia independente é baseada no modelo social da deficiência, que busca remover barreiras e promover a diversidade e a inclusão social. É um apartamento como outro qualquer, idealmente em um prédio comum, com moradores diversos, com ou sem deficiência.

 

Outro ponto importante é que o bairro deve ser acessível, em grande parte dos aspectos, e contar com transporte público, comércio e serviços diversos, como supermercado, lavanderia, padaria, bancos, lojas etc.

 

O Instituto coordenará o projeto-piloto, embasado em sua trajetória e conhecimento sobre a estruturação, organização, financiamento e operação de moradias independentes para pessoas com deficiência, principalmente a deficiência intelectual.


Parceria com Ability Housing, Fundação Getúlio Vargas (FGV Direito Rio ) e Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

 

A metodologia, os protocolos dos serviços de apoio individualizado, os processos de supervisão e controle de qualidade dos serviços da Ability Housing foram estruturados e adaptados à realidade brasileira por especialistas em educação, saúde e inclusão social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ.

 

Já a formalização jurídica entre as partes (condomínio, proprietário, inquilino, prestador do serviço de apoio comum, prestador do serviço personalizado), foi modelada em  parceria com a Fundação Getúlio Vargas ( FGV Direito Rio), que elaborou pareceres nas áreas de direito imobiliário, prestação de serviços, capacidade civil e convenção de condomínio.

 

O JNG está preparado para viabilizar a moradia independente com seriedade, profissionalismo e acolhimento necessários. Inscreva-se em nosso grupo-piloto: https://bit.ly/inscricao-grupo-piloto

A sua doação vai além do valor financeiro,
ela apoia a conquista de autonomia de pessoas com deficiências.

Clique aqui para doar Veja os produtos da campanha