Tamanho da letra A + A -

Modelo de Moradia

UM NOVO OLHAR SOBRE O ADULTO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E AUTISMOS: PROTAGONISMO, EMPODERAMENTO, AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA 

 

A primeira moradia independente do Brasil é sediada no Rio de Janeiro e abre novos horizontes aos jovens e adultos com deficiência e sua família. Seu diferencial é a metodologia exclusiva do JNG, que faz uma análise aprofundada da singularidade de cada morador e traça um plano de apoio profissional e personalizado, para que ele viva com autonomia e segurança em sua própria casa.

 

Aos poucos, na sua privacidade, esses adultos aprendem a cuidar do seu apartamento, a fazer suas escolhas e a tomar decisões, vivendo sua rotina, sempre contando com os apoios que precisam e desejam. E, assim, em um processo de aprendizagem contínua, desenvolvem habilidades e competências,  conquistam autoconfiança e autoestima e podem celebram os ganhos e desafios de uma vida adulta plena. Mesmo sendo altamente dependente, o adulto com deficiência pode e deve fazer suas escolhas, ainda que não tenha independência para executar tarefas.


Como funciona a moradia independente JNG?

 

  • Privacidade: cada adulto tem seu apartamento e sua rotina (trabalho, terapia, curso etc)

  • Prédio comum, onde vivem pessoas sem e com deficiência, em bairro urbano. Sem isolamento, sem residências segregadas

  • Não há limite de idade e nem restrições ao tipo de deficiência. 

  • Não tem função terapêutica ou de assistência médica: esse acompanhamento, se houver, pode e deve ser mantido, e será parte da rotina monitorada

  • Conta com uma base de apoio, um escritório no mesmo andar dos apartamentos, onde fica a equipe de plantão 24h, responsável por: monitorar as rotinas, como horários de trabalho, medicação, cursos e atividades em geral; dar suporte para atividades domésticas do dia a dia e tomar providências em caso de imprevistos

  • O Plano Personalizado de Apoio (PPA) norteia os serviços de apoio, estruturados em dois níveis: 

    • no dia a dia, com foco nas mudanças de vida e novas possibilidades, para que o morador possa se apropriar das tarefas e rotinas que a administração de uma casa exige, de forma natural (lavar roupas, pedir comida, limpar a casa etc). No primeiro mês, há especial atenção aos sentimentos de incertezas que possam surgir.

    • nos encontros individuais com o morador, com foco no desenvolvimento de habilidades e competências que exigem um olhar mais atento. É um programa, com agenda pré-definida de metas, ações e prazos, contratado à parte.

  • O valor total da moradia independente é a soma do aluguel e dos serviços de apoio. O aluguel inclui água, gás, IPTU e condomínio, além de internet gratuita e livre acesso às áreas compartilhadas, que incluem cozinha coletiva, cinema, co-working, entre outras. O custo da base de apoio é dividido entre os moradores; e o apoio individualizado é contratado à parte.

 

O propósito do JNG é promover uma transformação em nossa sociedade, quebrando paradigmas e desconstruindo a cultura do capacitismo.


Quero me inscrever na moradia independente do JNG.

 

O primeiro passo é fazer uma Avaliação de Perfil e Autonomia, um raio x das habilidades e autonomia do adulto com deficiência, a partir de entrevistas com ele (a) e sua família ( mãe, pai, irmãos) conduzidas por nossa equipe multidisciplinar de especialistas. Nessas entrevistas, são mapeadas as rotinas, atividades e aspirações, em diversas áreas da vida: saúde, lazer, segurança, finanças, alimentação etc

 

Não é uma avaliação sobre estar apto ou não apto, mas sim para definir o segundo passo fundamental para a moradia independente do JNG: o Plano Personalizado de Apoio (PPA), que mapeia os apoios necessários para que o adulto com deficiência viva com autonomia e o mais independente possível em sua casa e no seu dia a dia. Mesmo sendo altamente dependente, o adulto com deficiência deve exercitar sua autonomia de escolha, ainda que não tenha independência para executar tarefas. Do simples fato de ter sua própria casa, sua privacidade, haverá muitos estímulos para que amplie sua prática de autonomia. 

 


 Para saber mais, envie um email para moradia@institutojng.org.br 


 


Ainda não estamos prontos, queremos saber mais antes de decidir.

 

Participe de nossa Jornada da Moradia Independente, onde acolhemos as angústias e inseguranças, dialogamos com as famílias sobre vida adulta, sentimentos, desafios e conquistas, e esclarecemos todas as dúvidas sobre o modelo de moradia independente do JNG, o processo de entrevistas, a equipe e os apoios. 

 

São encontros, mentorias e dinâmicas para toda a família, exclusivo para os pais e exclusivos para os filhos(as). Para saber a próxima data, envie um email para moradia@institutojng.org.br

 

Quando dizemos morar sozinho, significa que a pessoa pode escolher e decidir com quem deseja morar, não que vai ficar solitária, triste e desamparada. E se a família tiver essa preocupação, poderá compartilhar e conversar sobre essa questão nas reuniões de acompanhamento e supervisão.  

A moradia independente enxerga a pessoa antes da deficiência. É importante ouvi-la, escutar seus desejos, seus gostos, dar a oportunidade para que ela decida algo sobre a  própria vida, reduzir as barreiras que impedem que ela participe da vida em sociedade.

O Instituto JNG adota a visão de autonomia, independência, confiança e respeito pelas pessoas com deficiência, que condiz com essa nova geração que foi beneficiada por inúmeras ações inclusivas dos últimos anos, em especial a educação em escolas regulares e o emprego apoiado. Sem isolamento, sem residências segregadas, com privacidade, liberdade e autonomia, como garantido na Convenção da ONU e na Lei Brasileira de Inclusão.


Você sabe a diferença entre os diferentes tipos de moradia? Muita gente confunde e pensa que as moradias independentes são como residências assistidas ou inclusivas, como as casas para idosos.



A população com potencial de atendimento por esta inovação social é de aproximadamente 17 milhões de pessoas com qualquer tipo de deficiência e 2,6 milhões de pessoas com deficiência intelectual em todo o Brasil (Censo 2010). Esse público deseja, pode e deve seguir seu desenvolvimento como indivíduos autônomos e produtivos.Não existem cidadãos inúteis.

Vamos mostrar que é possível e que vale a pena viver numa sociedade que é tolerante, amorosa e que acolhe as diferenças.