Tamanho da letra A + A -

Destaques

  • INSTITUTO JNG ABRE INSCRIÇÕES PARA GRUPOS-PILOTOS DE MORADIA INDEPENDENTE

     

    Fase 1- Preparatória dura seis meses, enquanto os filhos ainda moram com os familiares

    Ao final desse período, a família decide se continua no grupo-piloto para seguir para a fase de mudança de casa

     

    O Instituto JNG está formando grupos-pilotos para viabilizar a primeira moradia independente do Brasil. Em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre já há famílias mobilizadas, mas o projeto pode ser implementado em qualquer cidade do país, basta um mínimo de 12 pessoas inscritas.


    O projeto-piloto de moradias independentes terá três fases, sendo que a Fase 1- Preparatória, tem duração de seis meses, enquanto os filhos(as) ainda moram com os familiares. “É um período de muita conversa e troca com as famílias, para esclarecer dúvidas e aprofundar angústias. Tenho certeza que será rico em aprendizados”, ressalta Flavia Poppe, fundadora e diretora do JNG.


    O escopo de atividades engloba entrevistas com moradores, familiares e rede de apoio, prospecção de imóveis e pareceres jurídicos sobre modelagem do negócio e contratos.  No final desse período, a família decide se continua no grupo-piloto para seguir para a fase de mudança de casa. E recebe um relatório técnico, elaborado pelas especialistas do JNG, sobre o grau de autonomia atual da  pessoa com deficiência e quais habilidades e funcionalidades a serem desenvolvidas.


    Inédito no Brasil, a moradia independente do JNG tem como referência a Ability Housing, organização britânica com a qual mantém acordo de cooperação técnica para utilizar sua metodologia, processos e protocolos dos serviços de apoio individualizado.


    A moradia independente não tem função de assistência médica; é baseada no modelo social da deficiência, que identifica e busca remover as barreiras que transformam limitações em deficiências.


    A adaptação dos instrumentos da Ability Housing à realidade brasileira foi realizada por especialistas em educação e inclusão da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ.  Já a formalização jurídica entre as partes (condomínio, proprietário, inquilino, prestador do serviço de apoio comum, prestador do serviço personalizado), foi modelada em parceria com a Fundação Getúlio Vargas – FGV Direito Rio.


    O Instituto JNG será mentor e coordenador do grupo-piloto, embasado em sua trajetória e conhecimento sobre a estruturação, organização, financiamento e operação de moradias independentes para pessoas com deficiência, principalmente a deficiência intelectual.

     

    Transição para a vida adulta


    Desde sua fundação, há 7 anos, o Instituto JNG discute a transição para a vida adulta da geração de jovens que se beneficiaram da educação inclusiva, com foco em um tema pouco abordado, por conta da sua complexidade: o direito à moradia.


    A moradia é um dos pilares da vida adulta e na sua privacidade vai se estruturando, aos poucos, autonomia e independência. A pessoa com deficiência intelectual precisa ter a perspectiva de sair da casa dos pais, assim como um trabalho/ocupação e uma vida social própria, para que faça a transição para a vida adulta de forma digna, com autonomia e o mais independente possível. 

     

    O JNG está pronto para implantar o modelo de moradia independente no Brasil. “Qualquer pessoa pode morar sozinha ou com alguém de sua escolha, desde que tenha o suporte necessário para dar conta das tarefas rotineiras. Esse apoio é dado por uma equipe de profissionais especializados, levando em consideração as habilidades, necessidades e desejos de cada pessoa.”, explica Flavia Poppe.  

     

    O  Programa de Suporte Individualizado (P.S.I.) é o pilar do projeto de moradias independentes e presta os apoios necessários à pessoa com deficiência para que ela tenha autonomia nas atividades da vida cotidiana. São mapeados habilidades, necessidades e desejos a partir de entrevistas com o potencial inquilino, familiares e, eventualmente, com a rede de apoio e profissionais que atendem a pessoa.


    O P.S.I. se subdivide em dois: o PMR - Programa de Monitoramento de Rotinas, com equipe de apoio 24h, que presta o serviço de "Home Support"  para todos os inquilinos; e o PP - Programa Personalizado, contratado à parte, para desenvolvimento de habilidades específicas de cada morador. O P.S.I. conta com supervisão profissional, metodologia, metas, avaliações, controle de qualidade, retroalimentação e ajustes contínuos.

     

    Para se inscrever no grupo-piloto, acesse: https://bit.ly/inscricao-grupo-piloto

     

    Para acessar o Perguntas e Respostas, clique aqui.

     

    Prazo de inscrição: 21 de setembro de 2020.

     

    Sobre o Instituto JNG: Organização da Sociedade Civil que atua em prol da autonomia e independência de adultos com deficiência intelectual, com foco em moradias independentes.

     

    J, N e G são as iniciais de João, Nicolas e Gabriella, três jovens colegas de escola na condição do espectro do autismo (T.E.A.). Ana, Flavia e Mônica, suas mães, compartilhavam preocupações e angústias em projeção ao momento de encerramento da fase escolar. Decidiram fundar o Instituto JNG para promover o debate sobre a transição para a vida adulta das pessoas com deficiência intelectual, focando em um tema pouco abordado, por conta da sua complexidade: o direito à moradia.

     

    Mais informações: comunicacao@institutojng.org.br

    Colabore com a campanha #forçajng : https://www.catarse.me/institutojng

     

    SAIBA MAIS
  • JNG PROMOVE WEBINAR SOBRE MORADIA INDEPENDENTE

    JNG PROMOVE WEBINAR SOBRE MORADIA INDEPENDENTE

    Evento aborda o modelo do Instituto e formação de grupos-pilotos


    O Instituto JNG promove o webinar gratuito “Formação de grupo-piloto de moradias independentes do JNG”, no dia 10 de julho, às 11h, no zoom. Flavia Poppe explicará como funciona na prática o modelo do Instituto, as fases e forma de adesão ao grupo-piloto, e o papel do JNG como gestor e articulador. Quem se interessar, poderá se inscrever para participar do grupo-piloto e seguir no processo.

    O objetivo é formar grupos-pilotos com até 12 jovens adultos com deficiência, para viabilizar a primeira moradia independente do Brasil. “A princípio em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde já há famílias mobilizadas. Mas estamos mapeando interessados em todo o Brasil  para conversarmos e avaliarmos juntos a possibilidade de projetos locais.”, afirma a fundadora e diretora Flavia Poppe.

    No webinar, Flavia irá abordar temas como importância do tipo e localização de imóveis, número ideal de moradores, seleção, perfil e capacitação de profissionais, metodologia,  “home support” (que funciona 24hx7), programa personalizado (contratado à parte), instrumentos jurídicos, período e fases do grupo-piloto, adesão e responsabilidades, orçamentos e investimento.

    O Instituto JNG será mentor e coordenador do grupo-piloto, embasado em sua trajetória e conhecimento sobre a estruturação, organização, financiamento e operação de moradias independentes para pessoas com deficiência, principalmente a deficiência intelectual. “No final de 2018 lançamos o projeto-piloto. Ao longo de 2019 estruturamos processos e protocolos de serviços do "Home Support" e do Programa Personalizado (P.P.), e debatemos sobre a fundamentação jurídica que garante a segurança necessária para todos os envolvidos. A formação do grupo-piloto acontece no momento oportuno.”, comemora Flavia.

    A partir de um acordo de cooperação técnica com a organização britânica Ability Housing em 2011, o Instituto JNG adaptou à realidade brasileira os instrumentos e método para o desenvolvimento de programas de apoio individualizado. Já a formalização jurídica entre as partes do projeto de moradia independente (condomínio, proprietário, inquilino, prestador do serviço de apoio comum, prestador do serviço personalizado) foram estudados e modelados em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. A parceria do Instituto JNG com o Laboratório de Assessoria Jurídica ao Mercado de Capitais da FGV permitiu ainda o desenvolvimento de soluções de captação de recursos via emissão de debêntures com cláusula de impacto social (Instrução 588 da CVM).

    Desde sua fundação, em 2013, o Instituto JNG defende a causa das moradias independentes para pessoas com deficiência intelectual. Ao longo dos anos, direcionou seus esforços para a sensibilização do poder público, do mercado, dos jovens com deficiência e seus familiares.  “Qualquer pessoa pode morar sozinha ou com alguém de sua escolha -  o que varia é o número de  horas de apoio profissional dedicadas ao desenvolvimento de suas habilidades para conquistar autonomia e vida independentes.”, conclui a presidente do JNG.

     

    “Formação de grupo-piloto de moradias independentes do JNG”

    10 de julho, às 11h, no zoom. Vagas limitadas.

    Inscrições gratuitas: https://bit.ly/WebinarJNGGP

     

    Para saber mais sobre o modelo de moradias independentes do Instituto JNG: www.institutojng.org.br

    Colabore com a campanha #forçajng : https://www.catarse.me/institutojng

    Mais informações: comunicacao@institutojng.org.br



     

    SAIBA MAIS
  • JNG COMEMORA RESULTADOS DA CAMPANHA “JUNTOS, PODEMOS MORAR SOZINHOS. E COM A COVID-19”?


    Mobilização de jovens com deficiência, ampliação do diálogo com suas famílias e com o poder público, e a formação do grupo-piloto de moradias independentes são os resultados da parceria do JNG com Daniela Karmeli e Juliana Righini, especialistas e consultoras com vasta experiência na área de pessoas com deficiência. 


    A campanha “Juntos, podemos morar sozinhos – e com a COVID-19?” nasceu com o objetivo de oferecer recursos para que famílias e pessoas com deficiência, tendo suas rotinas de vida bruscamente alteradas, pudessem refletir sobre diferentes maneiras e significados da ocupação e convivência dentro de casa.


                                                            


    O sucesso do conteúdo produzido ao longo de dois meses e o engajamento nas lives semanais comprovaram o grande interesse pelo tema moradias e, especificamente, moradias para pessoas com deficiência. “Afinal, nunca passamos tanto tempo dentro de nossas casas, reorganizando espaços, otimizando o tempo e dividindo tarefas, convivendo intensamente com nossos familiares”, destaca Juliana Righini.


    Eram muitas as questões a serem discutidas. Como os jovens adultos com deficiência estavam se comportando nesse espaço confinado e intenso?  Como participavam das decisões familiares? Esse momento poderia se tornar uma oportunidade, para que a pessoa com deficiência intelectual pudesse se desenvolver, treinar habilidades e conquistar autonomia? Como seria se ela estivesse morando em seu próprio espaço, com o apoio profissional adequado às suas necessidades? E a relação com os irmãos, a rede de apoio, os colegas de trabalho? Como os governos se articulam para atender às diferentes demandas?


    Nesse contexto da pandemia, o que começou com uma série de reflexões sobre os desafios enfrentados pelos jovens com deficiência e suas famílias, culminou em algo que o JNG almeja há 2 anos, quando lançou campanha de financiamento coletivo para lançar seu projeto-piloto: viabilizar o modelo de moradias independente. “Em julho abriremos inscrições para a formação do grupo-piloto”, comemora Flavia Poppe, diretora do Instituto JNG.


    Depois desse projeto, a parceria do Instituto JNG com Daniela Karmeli e Juliana Barica Righini ampliou-se, com o objetivo de disseminar e implementar a metodologia da Moradia Independente no Brasil. “Foi uma jornada repleta de aprendizados, reflexões e conquistas.”,afirma Daniela. “Estamos muito felizes com os resultados e com as inúmeras possibilidades de parceria”, conclui. 


    Confira o conteúdo especial no blog do JNG e acesse nossa playlist de lives no Youtube.




    ARTIGOS E DICAS PRÁTICAS COM FOCO EM AUTONOMIA E VIDA INDEPENDENTE


    Em nosso blog, você encontra um conteúdo especial e exclusivo. Desde o relato de Flavia sobre a adaptação de seu filho Nico às primeiras semanas de confinamento, às  orientações de Daniela e Juliana Righini  sobre rotinas, divisão de tarefas, convivência e emergências e os recursos para enfrentar esse momento que ainda deve se prolongar por mais alguns meses devido ao isolamento social.



    LIVES FORAM PAUTADAS PELA DIVERSIDADE DE CONVIDADOS




    O objetivo das lives foi estimular o debate sobre a oportunidade que esse momento do “fique em casa”, por causa da COVID-19, dialogando com diferentes atores e fomentando o debate sobre autonomia autonomia e vida independente da pessoa com deficiência. Abordamos o convívio entre irmãos, os diferentes tipos de residências existentes hoje no Brasil, as dúvidas dos jovens e das famílias sobre morar sozinho e o modelo inovador do JNG,  o olhar do poder público e o papel da sociedade civil.


    Foram cinco lives em um mês e a resposta da audiência foi muito positiva,  com alto grau de engajamento.  No total, reunimos mais de 300 pessoas ao vivo e alcançamos mais de 20.800.


    Na primeira live, Flavia Poppe conversou com Juliana Righini e Daniela Karmeli sobre o “Desenvolvimento De Habilidades E Autonomia Da Pessoa Com Deficiência Durante A Quarentena”.



    Na pauta, a superproteção dos pais, as dificuldades com a distância de colegas de trabalho, terapeutas e amigos, a participação nas conversas e decisões familiares, a influência do espaço físico e do ambiente.  A audiência reuniu pessoas com deficiência, suas mães, representantes de OSCcs, profissionais da área da saúde e arquitetos.



    Comentários retirados da live:


    “Meninas, vocês estão arrasando…

     falar sobre morar sozinhos, isso é muito importante.” 

    Laura Negri


    “Como iniciar uma conversa saudável com nossos filhos,

    se temos medo de ouvir o que eles querem dizer? Nos dê caminhos.”

    Nancy Pereira da Costa


    “Nós arquitetos precisamos pensar ao desenvolver projetos,

    ambientes que estimulem o aprendizado e as sensações.

    Parabéns pela live meninas e por compartilharem tanto!” 

    Tainá Bortotto



    Os atores principais da campanha, os jovens com deficiência intelectual, compartilharam sua trajetória e sua vivência na live  “Autonomia E Independência Na Prática - Uma Conversa Sobre A Experiência De Jovens Que Já Moram Sozinhos”.



    Reunimos cinco adultos, de diferentes idades, ocupações e regiões do país. Marcelo e Raquel são um casal com T21 que mora juntos há nove anos e está passando esse período com na casa de praia, com a família. Pedro Lima tem TEA e mora sozinho há mais de dez anos.  Sem falar no Vinícius Streda! Decidiu morar sozinho após participar da Expedição 21 e hoje é palestrante e tem um canal no Instagram para falar sobre autonomia e vida independente. Já a designer Fernanda Schacker ainda vive com os pais, mas sonha em ter seu próprio espaço e pontuou suas dúvidas, angústias e percepções.



    Comentários retirados da live:


    “O empoderamento impacta na confiança em si mesmo e na confiança de estar

    no mundo social, na relação com outras pessoas. Na verdade, construir um lugar

    para si mesmo, a própria casa, é também construir um lugar empoderado para se relacionar!” 

    Maria Helena Versiani


    “A avaliação da funcionalidade seria critério dos níveis diferentes de apoio?!

    Ou seja, teriam moradias para os diferentes níveis de dependência?!

    Para pessoas idosas independentes há o Projeto Vila Dignidade…

    Seria algo do tipo para pessoas com deficiência independentes?!” 

    Paula Hiromi Kavadi



    As inúmeras dúvidas que surgiram sobre “O Modelo De Moradia Independente Do JNG” motivaram os convites para a terceira live: 



    Fernanda Schacker e sua mãe, Míriam, e a autodefensora Jessica Mendes, juntamente com Daniela Karmeli e Juliana Righini, entrevistaram Flavia Poppe. Enquanto Fernanda e Miriam abordaram os riscos de pessoa com deficiência intelectual morar sozinha, Jessica trouxe vários aspectos interessantes sobre a Lei Brasileira de Inclusão. 



    Comentários retirados da live:


    “Muito boa live com grande contribuição dessa

    discussão envolvendo os jovens, pais e profissionais.”

    Gislene Morais


    ”Eu preciso preparar o meu pai... porque eu quero morar sozinha”

    Mari Amato




    A quarta live contou com a presença de um personagem que não é muito visível no debate sobre a pessoa com deficiência: o irmão. “O Que Pensam Os Irmãos Sobre Autonomia E Independência?



    Foi uma conversa franca sobre os sentimentos que permeiam esse relacionamento ao longo da vida, lições aprendidas, responsabilidades, como preservar a individualidade, como se apoiam e veem o futuro. Nossos convidados foram Débora Goldzveig, do Projeto Irmãos; e os  irmãos Carolina e Claudio Aleoni Arruda. Débora também compartilhou sua experiência à frente do projeto que fundou justamente para que irmãos de pessoas atípicas possam interagir e trocar experiências. 



    Comentários retirados da live:


    “Sou mãe de uma linda pré-adolescente com SD e só me dei conta

    de ser irmã de PcD há 2 anos. Quando eu nasci, meu irmão tinha 10 anos

    e não lembro de ter tido essa percepção sobre as limitações de meu irmão,

    foi sempre muito natural entender e amá-lo como ele é ...” 

    Vivi Reis


     “Parabéns pela iniciativa da sequência de lives com temas

    tão importantes e interligados, nos fazendo avançar nas reflexões.”

    Catia Maia





    Para encerrar, a visão do poder público sobre as moradias para pessoas com deficiência contou com a participação de Cid Torquato, Secretário municipal da pessoa com deficiência de São Paulo; e Geraldo Nogueira, presidente de honra da Comissão de direitos da pessoa com deficiência da OAB-RJ e assessor do gabinete da Prefeitura do Rio de Janeiro. 


    A live “moradias: diálogo entre a sociedade e o poder público” abordou a importância da articulação com outras secretarias e as instâncias de governo, possibilidades de financiamento, o papel da sociedade civil  e parcerias público-privadas.




    Comentários retirados da live:


    “Não consigo vislumbrar alguma ajuda do poder público!!

    Acredito mais em grupos privados! Admiro a batalha de vocês!

    Mitzi Rezende Faver Linhares

     

    “O secretário Geraldo tocou um ponto nevrálgico: o papel do setor privado.

    A experiência internacional evidencia a centralidade do setor privado.

    Existem propostas por parte das secretarias para criar incentivos para o setor privado?” 

    Maurício Blanco




    Depoimento da Fernanda Schacker sobre morar sozinha:



    Desde 2013 o Instituto JNG vem disseminando o debate sobre moradias para pessoas com deficiência e traz uma proposta pioneira e inovadora para promover a autonomia e vida independente de pessoas com deficiência, em especial para as pessoas psicoatípicas. 


    “Cada tipo de moradia atende diferentes tipos de pessoas, ou seja, não acreditamos que exista um ´tamanho único que sirva para todos´. Precisamos ter mais opções no Brasil e a moradia independente com apoio individualizado já é uma realidade na maioria dos países mais desenvolvidos.”, reforça Flavia Poppe, diretora do Instituto JNG.



    Mais informações: comunicacao@institutojng.org.br

    #ForçaJNG: apoio nossa campanha https://www.catarse.me/institutojng



    Flavia Poppe - Diretora do JNG

    flavia@institutojng.org.br


    Juliana Baraca Righini - Consultora da área da deficiência intelectual (CRESS 30.369)

    www.julianabr.com / julianab.righini@gmail.com


    Daniela Karmeli - Consultora em Inclusão e Diversidade (CRP 06/40954-0)

    danikarmeli@gmail.com


    SAIBA MAIS
  • JNG FORMA GRUPO DE TRABALHO PARA ESTRUTURAR PROGRAMA DE APOIO INDIVIDUALIZADO (P.A.I)

    O Instituto JNG realizou a primeira reunião do Grupo de Trabalho (GT) que irá estruturar processos e protocolos de serviços do Programa de Apoio Individualizado (P.A.I.), um dos pilares do projeto-piloto de moradias independentes para pessoas com deficiência. Com duração prevista de 3 meses, o GT reúne seis especialistas e será liderado por Flavia Poppe, presidente do Instituto.

     

    O núcleo operacional é formado por Gerusa Pontes de Moura, pedagoga especialista em mediação escolar e processos educacionais, Mestranda em Educação na Universidade do Rio de Janeiro (UERJ), com grande experiência na área da Saúde Mental; e Ana Paula Silva Estevão, administradora de empresas com MBA em gestão de pessoas, certificada pelo PMI (Project Management Institute), com 10 anos de experiência em gerenciamento de projetos em empresas de grande porte.

     

    O trabalho será desenvolvido a partir do Protocolo de Personalização elaborado no ano passado pelas consultoras Cristina Mascaro, professora adjunta do departamento de Educação Inclusiva e Continuada da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ); e Livia Vitorino, professora de Educação Especial e mestre em Inclusão e Educação Especial, que também integram o GT. Cristina e Livia traduziram e adaptaram as técnicas da Ability Housing – modelo e referência do JNG - à realidade brasileira. O processo incluiu a validação e aplicação dos instrumentos do Programa em jovens com deficiência intelectual e elaboração dos primeiros protocolos para desenvolvimento e aplicação em escala do Programa de Apoio Individualizado (P.A.I.).

     

    Agora, o GT irá desenhar e definir os processos para que o Programa de Apoio Individualizado seja aplicado, desde a fase de cadastramento dos atores envolvidos (PcD, família, mediadores), passando pela capacitação de profissionais até a operação, monitoramento, avaliação e controle de qualidade.

     

    Cátia Walter, professora do programa de pós-graduação em Educação do departamento de Educação Inclusiva e Continuada da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) também integra o Grupo de Trabalho. Cátia, mestre e doutora em Educação Especial, acompanha o trabalho do Instituto JNG desde sua fundação, sempre nos inspirando e reforçando nossa crença de que a perspectiva de moradia amplia a capacidade de autonomia e garante uma vida o mais independente possível para pessoas que convivam com limitações.

     

    Cacília Helal completa o GT, trazendo o olhar dos pais, suas dores e desafios. Pedagoga, psicomotricista e mestranda em Educação pela UFP, em Portugal, é orientadora educacional do COLÉGIO MOPI, no Rio de Janeiro, atuando no bem estar das relações entre família/aluno/escola.

     

    Flávia Poppe comemora mais essa etapa estrutural do projeto-piloto. “Um trabalho sério e sustentável se faz com bases sólidas e esse grupo de especialistas nos dá a tranquilidade e a certeza de que o Instituto JNG veio para criar, inovar e oferecer soluções de real autonomia para pessoas com deficiência“, conclui. 

    SAIBA MAIS
  • #FORÇAJNG: NOSSA CAMPANHA DE FINANCIAMENTO COLETIVO NO CATARSE

    Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2019. Está no ar a nossa campanha de financiamento coletivo no Catarse -  https://www.catarse.me/institutojng. O objetivo é mobilizar e engajar doadores, possibilitando que o Instituto JNG siga promovendo a inclusão social, autonomia e transição de jovens com deficiência intelectual para a vida adulta.

    “O JNG completou 7 anos de existência em 2019, consolidando-se como referência em moradias independentes para pessoas com deficiência intelectual. Demos passos importantes para estruturarmos nosso projeto-piloto, com segurança jurídica e governança.“, destaca Flavia Poppe, fundadora e presidente do JNG. “Mas temos o desafio da sustentabilidade financeira e precisamos de apoio para seguir em frente, porque as doações são hoje nossa única fonte de receita.”, conclui.

    Atualmente, o JNG ocupa um espaço cedido gratuitamente e conta com equipe de 16 pessoas, entre fundadoras, especialistas e voluntários, sem dedicação exclusiva, mas engajadas na luta pela diversidade e pela inclusão social.

    A campanha de doações recorrentes no Catarse viabilizará um orçamento mensal e, consequentemente, permitirá ampliar o diálogo para todos os atores da sociedade: famílias, PcD, instituições de ensino, empresas, governos, bancos, OAB, Ministério Público, Organizações da Sociedade Civil e o ecossistema de negócios de impacto social.

    O principal objetivo é compartilhar com mais pessoas, em todo o Brasil, conhecimento e informações sobre autonomia e transição para a vida adulta dos jovens com deficiência intelectual, trocando ideias e debatendo o modelo de moradias independentes. A meta é continuar a desenvolver as ações preparatórias para a concretização do projeto-piloto (protocolos de serviços, desenvolvimento de instrumentos de armazenamento de dados de cada morador, etc) e, além disso, estabelecer um calendário mensal de palestras e rodas de conversa gratuitas, além da participação em eventos técnicos. 

    O Instituto encerra 2019 com várias conquistas, em diferentes frentes de atuação: a parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a adaptação e validação dos instrumentos de avaliação (risk assessment) realizadas por profissionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e a participação no Grupo de Trabalho de Moradia de Vida Independente da prefeitura municipal do Rio de Janeiro. O arcabouço do projeto-piloto está quase pronto, assim como o instrumento que permite desenvolvermos o Programa de Suporte Individualizado, na fase de busca de imóveis e alternativas de financiamento.  

    Encerramos o ano com a certeza que estamos no caminho certo.”, celebra Flavia Poppe. “A campanha no Catarse nos dará fôlego para para continuarmos nessa jornada.  

    Clique aqui e saiba mais sobre campanha do Instituto JNG no Catarse: https://www.catarse.me/institutojng


    SAIBA MAIS
  • JNG DEBATE PERSPECTIVAS PARA O ADULTO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

    Nossa presidente Flavia Poppe participa, no dia 17 de agosto, do Simpósio 60 anos CIAM - A deficiência intelectual no Brasil. O evento reunirá especialistas de diversas áreas para debater melhores práticas e abordagens.


    Flavia integra a mesa “O adulto com deficiência intelectual: inclusão no mercado de trabalho e moradia”, às 17h, juntamente com Márcia Melo e Luciana Bolognini Machado, com moderação de Flávia Chwartzmann. 


    O simpósio será no dia 17 de agosto, das 9h às 17h30, na Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, em São Paulo, SP.


    O Centro Israelita de Apoio Multidisciplinar – CIAM é uma associação beneficente, sem fins lucrativos, que tem como missão prestar assistência à pessoa com deficiência intelectual e seus familiares, buscando desenvolver sua confiança, autonomia e inclusão na sociedade.


    Para mais informações, clique aqui.
    SAIBA MAIS
  • JNG REÚNE FAMÍLIAS, MERCADO IMOBILIÁRIO, ARQUITETOS E FGV RIO PARA DEBATER PROJETO-PILOTO

    No último dia 30 de maio o JNG reuniu os diversos atores envolvidos no projeto-piloto de moradias independentes para pessoas com deficiência para ouvir sugestões, críticas e questionamentos sobre o resultado da parceria com o Laboratório de Assessoria Jurídica ao Mercado de Capitais – LAMCA da FGV DIREITO Rio. 

    Os temas debatidos foram investimento e modelo para captação de recursos, segurança jurídica, características e local do imóvel, compra e aluguel, serviços (Programa de Suporte Individualizado é um dos pilares do projeto-piloto), usufruto vitalício e a perenidade do projeto.

    Outra questão bastante discutida foi a replicação do modelo em outros estados. O JNG terá o papel de capacitação, certificação e monitoramento, além de viabilizar parcerias para compartilhar metodologia, know how, expertise e serviços.

    “Para nós foi muito importante esse diálogo. É preciso ter certeza que nosso modelo atende  às necessidades das famílias, com a segurança jurídica necessária. E que o modelo de investimento viabilize o projeto-piloto”, destaca Flavia Poppe, diretora do JNG. 


    Fotos: Alexandre Campbell

    SAIBA MAIS
  • INSTITUTO JNG INTEGRA GRUPO DE TRABALHO DO PROJETO MORADIA DE VIDA INDEPENDENTE, DA SUBSECRETARIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
    O Instituto JNG é um dos integrantes do Grupo de Trabalho que irá discutir e colaborar com o projeto Moradia de Vida Independente, liderado pela Subsecretaria da Pessoa com Deficiência.
    O projeto tem o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro e deve ser uma nova opção de residência para pessoas com deficiência que precisam de apoio e mediação para dar conta de suas rotinas domésticas.
    O GT irá definir princípios e características desse novo modelo de moradia, com propostas concretas que serão avaliadas pelos órgãos responsáveis com apoio da Subsecretaria da Pessoa com Deficiência.

    SAIBA MAIS
  • FGV DIREITO RIO FIRMA PARCERIA COM JNG

    A partir do primeiro semestre de 2019, o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da FGV Direito Rio atende o Instituto JNG (https://www.institutojng.org.br/) no âmbito da Clínica LAMCA (Laboratório de Assessoria Jurídica ao Mercado de Capitais). Fundado em 2013, o Instituto JNG é uma organização social de interesse público (OSCIP), com sede no Rio de Janeiro, criada com o objetivo de promover a autonomia e vida independente de adultos com deficiência intelectual por meio da sensibilização e debate sobre moradias independentes com apoio individualizado. Trata-se de um modelo desenvolvido no Reino Unido (Ability Housing) e que, desde 2018, vem sendo adaptado à realidade brasileira para que seja implementado como projeto piloto no Brasil.

    Supervisionados pelo professor Carlos Augusto Junqueira, alunos e alunas prestarão consultoria gratuita para a apresentação de modelagem jurídica para captação de recursos por sociedade anônima (S.A.) emissora de valores mobiliários com cláusula de impacto social, a ser controlada por associação sem fins lucrativos.

    Segundo Carlos Augusto Junqueira, Supervisor da Clínica LAMCA, “São basicamente duas novidades que desejamos incorporar ao modelo jurídico tradicional de captação de recursos: (i) os valores mobiliários emitidos possuírem uma ‘cláusula de impacto social’, permitindo maior ou menor remuneração dos investidores em função dos resultados medidos, auditados e alcançados; e (ii) a controladora da emissora ser uma associação do terceiro setor, em simbiose inédita cujo tempo parece ter chegado, sobretudo pelo (a) amadurecimento do mercado de capitais para abraçar causas com impacto social que tenham compromisso de transparência, governança e prestação de contas quanto aos recursos doados; e (b) ambiente econômico hostil a qualquer benefício ou incentivo fiscal adicional para eventuais doadores.”

    De acordo com Flávia Poppe, Diretora do Instituto JNG, “nossa expectativa com esta importante parceria é oferecer à sociedade um modelo inovador de moradia para pessoas com deficiência, com a segurança jurídica necessária e um sistema de governança de qualidade. Na medida em que o mundo empreendedor passe a enxergar oportunidades em ações de impacto social, estaremos evoluindo como sociedade e fomentando um nicho de mercado que pode e merece ser melhor cuidado e planejado em benefício das futuras gerações.”

    Para o professor André Mendes, Coordenador do NPJ, o atendimento ao Instituto JNG converge com os valores que pautam a atuação do NPJ da FGV Direito Rio: “A consultoria jurídica gratuita ao JNG é inovadora, liderada pelo talento do professor Carlos Augusto, e representa a vocação de responsabilidade social do NPJ. O JNG desenvolve trabalho de enorme relevância para a sociedade, com olhar específico para pessoas com deficiência intelectual. Esperamos poder contribuir com essa essencial agenda inclusiva”.

    Fonte: FGV Direito Rio

    SAIBA MAIS
  • Instituto JNG debate moradias para pessoas com deficiência com subsecretário municipal do Rio de Janeiro
    Flávia Poppe e Eliane Alves, do Instituto JNG, reuniram-se com Geraldo Nogueira, subsecretário municipal da Pessoa com Deficiência, Sylvia Crivella e um grupo de especialistas para debater moradias para pessoas com deficiência. Como resultado, será criado um Grupo de Trabalho, com a participação de cerca de 10 pessoas ligadas a organizações sem fins lucrativos que trabalham com autonomia e vida independente e líderes do movimento dos direitos das pessoas com deficiência. O objetivo do Grupo de Trabalho é discutir potencial modelo de moradia para PcD no Município do Rio de Janeiro, com incentivo da Prefeitura.
    SAIBA MAIS
  • Instituto JNG discute autonomia da pessoa com deficiência intelectual no seminário internacional Rio TEAma: autismo tem tratamento

    Flávia Poppe, diretora-geral do Instituto JNG, participa do seminário internacional Rio TEAma no próximo dia 3 de abril, às 12h, no debate “Como o presente vai influenciar o futuro das crianças com TEA?”. O evento reunirá especialistas nacionais e internacionais, nos dias 2 e 3 de abril, na Cidades das Artes, para discutir técnicas e perspectivas terapêuticas para os indivíduos portadores do Transtorno do Espectro do Autismo – TEA.  

    No Brasil já existe uma rede de informações e suporte para crianças com deficiência intelectual e suas famílias. Mas pouco se discute sobre a vida adulta, depois da fase escolar. O Instituto JNG nasceu há 5 anos exatamente a partir da inquietação de mães preocupadas com o futuro de seus filhos com autismo. Desde então, promove e defende a causa das moradias independentes com suporte individualizado como forma de conquistar autonomia e independência.  Em março desse ano começou a ser desenvolvido o projeto-piloto, pioneiro no Brasil, baseado no modelo da Ability House, no Reino Unido. Flávia destaca como é impactante na nossa vida quando saímos da casa de nossos pais, seja para trabalhar, para estudar, para casar. “Essa transição é libertadora e fundamental. A moradia é estruturante, é na nossa casa que a gente desenvolve nossa identidade, nossa independência, nossa autonomia, onde organizamos as nossas coisas”, diz Flávia Poppe. “É um passo importante para a socialização, para conquistar um trabalho, uma ocupação”, conclui.

    Kátia Moritz, Denise Hardtt, Janessa Dominguez, Paulo Liberalesso, Graciela Pignatari e Eduardo Faveret são alguns dos palestrantes confirmados. Alysson Muotri, pesquisador brasileiro, professor e diretor do Programa de Células-Tronco da Universidade da Califórnia em San Diego (UCSD), EUA, enviará uma palestra gravada sobre o tratamento usando genética de ponta e células-tronco. Muotri é pioneiro em pesquisas que ajudaram a descobrir as causas e mapear tratamentos mais eficazes para o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). 

    O Seminário Internacional Rio TEAma celebra Dia Internacional da Conscientização do Autismo - https://www.un.org/en/events/autismday/ A data foi estabelecida pela ONU no dia 2 de abril, com o objetivo de conscientizar sobre a importância de diagnosticar, tratar e inserir as pessoas autistas na sociedade, reduzindo o preconceito que ainda existe.

     

    SERVIÇO:

    Seminário Internacional Rio TEAma 2019 – Autismo tem tratamento

    2 e 3 de abril de 2019, das 10h às 20h - Cidade das Artes, Rio de Janeiro

    Inscrições: https://bit.ly/2CONxIU

    Programação:

    2/4/19, terça-feira

     9h – 10h – inscrições e credenciamento.

    10h – 11h30 - Dr. Paulo Liberalesso: “Comportamentos autísticos: compreendendo os fundamentos, sinais e os sintomas e as mobilidades de tratamento”.

    11h45 – 13h30 - Kátia Moritz: “As crendices e lendas sobre o Autismo”.

    13h30 – 15h - Almoço.

    15h – 16h30 - Denise Hardt: “Tratamento baseado em evidências”.

    16h30 – 17h - Vamos sobreviver: inspiração para pais e profissionais.

    17h – 17h45 - Diogo Ventura Lovato: “Genética e Autismo”.

    17h45 – 19h - Graciela Pignatari e Alysson Muotri (palestra gravada): “Como os mini-cérebros humanos podem recapitular aspectos funcionais do cérebro em desenvolvimento”.

    19h – 20h - Eduardo Faveret: “Tratamento com Canabidiol e experiências no Brasil”.

     

    Dia 3/4/19, quarta-feira

    10h – 11h30 - Kátia Moritz: Treinamento dos Pais.

    11h30 – 12h – Aperitivos: manejo da ansiedade no TEA.

    12h – 13h30 - Roda de conversa (perspectiva): Como o presente vai influenciar o futuro das crianças com TEA, com Dr. Paulo Liberalesso, Dr. Jair Moraes, Flavia Poppe e Dayse Serra.

    13h30 – 15h - Almoço.

    15h – 17h - Dra. Janessa Dominguez : Manejo de comportamentos agressivos e de prevenção e o impacto no funcionamento do autista.

    17h – 19h - Família Brito Sales: Nicolas Brito Sales (“Tudo o que eu posso ser”), Anita Brito (“TEA e Neurociência”) e Alexsander Sales (“O papel do pai e a superação da família”).

    19h – 20h - Encerramento e carta de compromisso - participantes criarão um documento de mudanças pessoais que vão se comprometer a fazer para modificar suas próprias dificuldades de lidar com pacientes ou familiares.

    SAIBA MAIS
  • JNG lança campanha de financiamento coletivo para desenvolver projeto-piloto de moradia independente para pessoas com deficiência

    JNG lança campanha de financiamento coletivo para desenvolver projeto-piloto de moradia independente para pessoas com deficiência


    • Inédito no Brasil, projeto é uma evolução no conceito de autonomia e inclusão social
    • Segundo IBGE, são 2,6 milhões de pessoas com deficiência intelectual no Brasil
    • Modelo é baseado na britânica Ability Housing, que existe há mais de 20 anos
    • Projeto-piloto fica pronto em junho de 2019

    Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2018. O Brasil já deu passos importantes na educação, na saúde e no primeiro emprego para a inclusão de jovens e adultos com todo tipo de deficiência, que são mais de 21 milhões de pessoas no Brasil. Apenas na cidade do Rio,  são mais de 3 milhões de pessoas (Censo 2010).

    Agora, é preciso avançar para que possam conquistar moradia adequada e acessível, qualidade de vida e exercitar seus direitos. Direitos, aliás, garantidos na Lei Brasileira da Inclusão.


    Por isso, o Instituto JNG lança campanha de financiamento coletivo para desenvolver o projeto-piloto de moradia independente para pessoas deficiência intelectual, inédito no mercado brasileiro. O modelo será o da Ability House (https://www.ability-housing.co.uk/), no Reino Unido, que já existe há mais de 20 anos e é parceira do JNG desde a fundação do Instituto.


    No evento de lançamento da campanha, que reuniu 60 pessoas no anfiteatro da PUC-Rio, Flávia destacou que a moradia é estratégia para autonomia e vida independente das pessoas com deficiência. É um passo importante para a socialização, para conquistar um trabalho, uma ocupação. Ela acredita que, ao focar nas necessidades e questões do deficiente intelectual, o projeto-piloto automaticamente pode ser adaptado a moradores com qualquer tipo de deficiência.




    ELA lembrou como é impactante na nossa vida quando saímos da casa de nossos pais, seja para trabalhar, para estudar, para casar. “Essa transição é libertadora e fundamental. A moradia é estruturante, é na nossa casa que a gente desenvolve nossa identidade, nossa independência, nossa autonomia, onde organizamos as nossas coisas”, diz Flávia.


    A diferença entre moradia independente e moradia assistida foi outro ponto fundamental esclarecido durante a palestra de Flávia.



    A moradia urbana independente para jovens adultos com deficiência intelectual é uma evolução no conceito de autonomia e autossuficiência para essas pessoas, reduzindo as barreiras que impedem o convívio entre pessoas de todo o tipo e seus meios de se comunicar e viver em sociedade.


    Os potenciais moradores e suas famílias terão papel fundamental nesse processo: o Instituto jng irá ouvir seus anseios, o que desejam e como imaginam ser a moradia ideal, para fazer valer o lema da Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência: “NADA SOBRE NÓS... SEM NÓS.”